Teori ficou enfurecido com decisão de Lewandowski e decidiu dar liminar

ministro teori zavascki stf

O ministro Teori Zavaski, relator da Operação Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), ficou enfurecido com o anúncio feito nesta quarta-feira (4) pelo presidente da Corte, Ricardo Lewandowski, de que pautaria nesta quinta a ação da Rede que pedia o afastamento de Eduardo Cunha do cargo de presidente da Câmara.

A ação do partido de Marina Silva foi colocada na pauta a pedido do relator da matéria, ministro Marco Aurélio Mello.

De acordo com interlocutores de Zavaski, ele se sentiu atropelado pois já tinha sinalizado, na semana passada, que levaria em breve outro pedido de afastamento de Cunha, feito pela Procuradoria-Geral da República, para ser analisado pelo plenário do STF.

janot

Zavaski ficou incomodado com a possibilidade de ser acusado de ter retardado o processo contra Cunha.

 

O ministro analisa desde o fim do ano passado o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para que Cunha seja afastado de suas funções.

O STF vinha sofrendo críticas por retardar a decisão, permitindo que Cunha comandasse o processo de impeachment de Dilma Rousseff e, segundo a PGR, usasse o cargo em benefício próprio, interferindo diretamente no processo de sua própria cassação, em análise na Câmara dos Deputados.

ricardo lewandowski

A decisão de Zavaski causou perplexidade entre colegas da Corte. Por mais que os fatos apontados por ele para suspender Cunha sejam graves, poderiam ter sido discutidos na sessão marcada para a tarde desta quinta por Lewandowski.

Com a liminar, no entanto, Zavaski retoma as rédeas do assunto. Ele deve submeter nesta quinta sua decisão liminar ao plenário do STF.

 

Fonte: Folha de São Paulo